Violino Brasil
Últimos assuntos
» Intonia - Aplicativo para Praticar a Afinação.
Hoje à(s) 06:40 por CSFreire

» Qual o melhor custo benefício?
30/11/2016, 14:14 por Silano M. Santos

» forma de mão.
30/11/2016, 08:12 por MarcoAC

» Como aprender a identificar a posição correta das notas.
29/11/2016, 19:08 por ymoraes5948

» Que Breu usar?
25/11/2016, 13:37 por Lexluthor

» Como avaliar violinos online.
20/11/2016, 20:22 por felipelch

» História da música
18/11/2016, 14:31 por £ëø Mø®£ix

» Goma laca indiana
18/11/2016, 14:23 por £ëø Mø®£ix

» Quarto dedo...
17/11/2016, 12:15 por £ëø Mø®£ix

Quem está conectado
20 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 20 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 106 em 1/9/2012, 17:16

História de Paganini

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

História de Paganini

Mensagem  £ëø Mø®£ix em 17/2/2010, 01:34

=========================================

>>> Niccolo Paganini (1782 - 1840) - O Violinista: <<<

=========================================

Durante o outono de 1782, mais precisamente a 27 de outubro, nascia na litorânea cidade de Gênova, Itália, fruto da união de Antonio e Teresa Paganini, uma criança, que recebeu o nome de Niccolo, e cujo futuro seus pais nem podiam imaginar. Antonio Paganini, que era portuário por profissão, se distraía como violinista amador.
.
Apenas o segundo filho, dentre os seis que teve, (Piero, Niccolo, Giovanni, Franco, Giuseppe e Teresa) mostrou interesse pelo mundo da música. Antonio, com uma máxima severidade criou seu filho com mão de ferro e sonhando com riqueza que um prodígio poderia lhe trazer, aplicava muita crueldade persistindo com Niccolo nas tarefas musicais, castigando-o severamente a cada engano, e não permitindo para a criança qualquer relaxamento ou brincadeira.
.
Como toda criança da época, Niccolo Paganini foi atacado tão severamente por sarampo que certo dia foi dado como morto, e seu corpo foi embrulhado em uma mortalha, e só por acaso é que não foi enterrado prematuramente. Esta doença deixou Paganini doentio para o resto da vida.
.
Niccolo Paganini, mostrava interesse precoce pelas cordas do violão, mas foi o violino que levou o jovem ao mundo da fama. Aos seis anos tomava aulas com Giovanni Servetto. Mais tarde, com o mestre de capela e primeiro violino de Gênova, Giacomo Costa. Sob a orientação desses professores, Paganini fez progresso surpreendente.
.
Com a idade de oito ele compôs uma sonata de violino de mérito extraordinário; um semestre depois, ele tocou o Concerto de Pleyel tão prosperamente na igreja que ele freqüentava que foi convidado a ser o primeiro violino da igreja. Antônio Paganini estava realizando o seu sonho rapidamente, mas longe de ceder à sua regra despótica sobre seu filho, aumentou a severidade com a esperança de trazer um triunfo mais rápido.
.
Niccolo Já fazia nesta época apresentações executando obras diversas e estreou sua obra em uma igreja dos arredores. Escreveu, aos onze anos de idade, uma série de variações sobre a tradicional La Carmagnola, recebendo pela apresentação dessa composição sólida aclamação.
.
Começou então a viajar, sempre em companhia de seu pai Antonio, em busca dos célebres mestres de música da Itália. Após assistir a uma demonstração da técnica do jovem instrumentista, o grande professor Alessandro Rolla se recusou a dar-lhe aulas pois achava que nada teria a acrescentar à técnica já adquirida pelo músico.
.
Em 1795, Paganini - então com treze anos - deu um desempenho em um teatro em Genova, tão fenomenal que daí em diante ele ficou conhecido como o “a criança-maravilha”. Seu pai decidiu levá-lo a maiores professores.
.
Em 1797, Paganini empreendeu uma excursão de concertos estendida entre Milão, Bolonha, Florença, Pisa, e Leghorn, fazendo as audiências com a sua técnica fenomenal. Nessa época, a tirania de Antônio Paganini sobre o filho estava se tornando insuportável a Niccolo que resolveu se livrar de uma vez por todas do jugo do pai.
.
Em novembro de 1798, ele inscreveu-se e veio com o irmão mais velho, Piero, para o Festival de San Martim em Lucca onde realizou um desempenho fabuloso. A partir de Lucca, ele visitou diversas cidades próximas fazendo desempenhos excelentes. Paganini ganhou dinheiro bastante para se manter mais adequadamente, e decidiu firmemente nunca mais voltar à casa de seu pai. Em 1801, finalmente, abdicou da companhia de seu pai e retomou a função de concertista. Viajou a Lucca, onde se tornou professor do Príncipe, além de primeiro violino da orquestra da Corte
.
Porém, esta recente liberdade lhe virou a cabeça. Ele só tinha dezesseis anos, mas começou a ter uma vida devassa com mulheres, e jogo. Destes dois vícios, o segundo provou mostrar tão forte nele que Paganini freqüentemente perderia mais em uma noite do que ele ganharia em várias semanas.
.
Mais de uma vez ele foi forçado a penhorar o violino para pagar integralmente dívidas de jogo.
.
Uma certa vez, aos quinze anos, Niccolo estava programado para dar um espetáculo, mas seu violino estava penhorado, um amigo, Monsieur Livron, ofereceu-se a emprestar lhe o próprio e valioso Guarnerius (o nome deste Violino era "O Canhão"), e, naquele concerto, ficou tão encantado com Paganini que insistiu para que o violinista retivesse o precioso instrumento como um presente, que era uma peça muito valiosa entre os instrumentos musicais da época.
.
Niccolo continuou a compor e terminou os primeiros de seus 24 Caprichos nesta época. Logo após isto, Paganini quase perdeu, em uma noite, no jogo, este violino famoso.
.
Quando, na manhã seguinte, ele viu que quase tinha jogado fora a sua posse mais preciosa, Paganini jurou nunca mais chegar uma mesa de jogo; e ele manteve a sua promessa.
.
Entre 1801 e 1805, Paganini desapareceu de visão pública. Acredita-se que ele viveu durante estes anos em retiro completo no castelo de uma senhora da Toscana, uma guitarrista e cantora lírica, dedicando seu tempo a dominar o violão e a compor músicas para aquele instrumento.
.
Em 1805, Paganini voltou à fase de concertos. Uma vez mais, ele soube triunfar. No fim desse ano, voltou novamente a Corte de Lucca e foi empregado pela Princesa (Elisa de Lucca) como primeiro violinista da corte. Aqui ele estudou infatigavelmente a técnica do violino e continuamente tentou executar músicas com menos de quatro cordas pelo uso de notas harmônicas. Ele na verdade compôs exatamente nessa época uma sonata para uma única corda G (“SOL” – 4ª corda).
.
Tinha devota admiração pela irmã de Napoleão Bonaparte, então coroado rei da Itália. Em 1809 a princesa Elisa de Lucca mudou-se e Niccolo. Paganini permaneceu no emprego da até 1813. Voltou à sua vida de viagens e concertos. Estreou a 29 de outubro de 1813, com sua obra Le Streghe (As Feiticeiras) no famoso Teatro Scala de Milão.
.
Paganini recebeu sólido reconhecimento como o maior instrumentista de sua época e começou a excursionar pela Itália.
.
Mudou-se para Florença e em 1819, começou a lecionar violino, violão e violoncelo. Mostrava então ser possuidor não só de grande técnica ao violino, mas também ser grande violonista e admirável conhecedor dos instrumentos de corda, além de extraordinário professor.
.
Voltou a excursionar em 1820. Seus estranhos modos e sua técnica extraordinária o ligaram a lendas que o associavam ao demônio. Mas estas ligações satânicas eram desculpas para explicar seu virtuosismo, pois Niccolo sempre foi ligado à Igreja e chegou a executar um grande número de concertos beneficentes.
.
Passou a viver com Antonia Bianchi. Adoeceu, em 1821, por um longo período. Retomou suas apresentações pela Europa em 1824. Seu único filho, Achille Ciro Alessandro, chamado carinhosamente de Achillino Paganini, nasceu a 25 de julho de 1825.
.
Durante os próximos anos ele executaria concertos extensivamente na Itália e não deixou nenhuma dúvida de sua supremacia sobre todos os violinistas de sua época. Doenças tornaram impossível para Paganini dar concertos fora de Itália. Em 1827, contraiu uma infecção na laringe. Desprezando a doença, continuou suas viagens. Mas não estava bem.
.
Finalmente, em 1828 - depois de um repouso bastante curativo na Sicília com a força renovada, Paganini foi para Viena onde se tornou uma sensação. Roupas, comidas, bijuterias receberam seu nome; sua figura foi caracterizada em bengalas e caixas de charutos etc.
.
Em 1831, Paganini ultrapassou este triunfo de Viena até mesmo em Paris. Franz Liszt expressou a maravilha do público francês quando ele exclamou:
“Isso que é um homem! Isso que é um violino! Isso que é artista! Céus! Que sofrimentos, que miséria, que tortura nessas quatro cordas!”. O mestre do violino começou a apresentar sinais de esclerose em 1833, ao se preocupar em demasia com a saúde, perfeita, de seu filho, que levava para todos os lugares aonde ia.
.
Tornou-se Doutor de Música da Universidade de Oxford. Voltou à capital francesa para algumas apresentações, sentindo-se forte. Por este tempo, Paganini já tinha se tornado uma lenda. Não só por sua técnica incrível — seus efeitos digitais pareciam milagrosos em suas audiências — mas também sua aparência cadavérica que despertou o terror supersticioso e temor de seus espetáculos.
.
“Um metro e sessenta e cinco de altura, construído em linhas longas, sinuosas, uma face pálida longa com linhas fortes, um nariz pontiagudo, e olho de águia, cabelo ondulado fluindo aos seus ombros e escondendo um pescoço extremamente magro,”... era descrição de Castil-Blaze sobre Paganini em 1831. Dirigiu-se à Bélgica, onde foi estranhamente vaiado. Veio a descobrir depois que esta rejeição por parte dos belgas era devido às lendas de sua associação com o demônio.
.
A face pálida e longa, os seus lábios magros que pareciam enrolar em um sorriso sardônico, expressão penetrante dos seus olhos que pareciam como carvões flamejantes, lhe deram uma aparência diabólica que tentou muitos dos seus admiradores a circular o rumor que ele era o filho de um diabo. As pessoas freqüentemente se benziam se fossem acidentalmente tocadas por ele.
.
Uma vez, Paganini foi forçado a publicar cartas de sua mãe para provar que ele teve os pais humanos. De qualquer modo, ele despertou temor e terror onde quer que tocasse. Em Paris ele foi chamado Cagliostro (lenda francesa de um conde que não envelhecia e que era considerado imortal); em Praga ele foi julgado por ser o judeu errante original; na Irlanda circulou o rumor que ele tinha chegado a essa terra no Holandês Voador (lenda local).
.
Apesar de sua saúde delicada, Paganini continuou fazer concertos extensivamente, e teve sucesso acumulando uma fortuna considerável. Em 1836, porém, ele entrou em uma aventura especulativa — o estabelecimento de um “Cassino Paganini” em Paris, uma moda da época onde concertos eram apresentados — que foi um fracasso e no qual ele perdeu uma boa parte de sua fortuna.
.
A sua infelicidade com a perda da riqueza agravou a sua doença. Ele se foi para Marselha e Nice para descanso e recuperação. Mas Paganini estava condenado. Sua doença ficou pior, ele tossia incessantemente, e finalmente ele perdeu a voz completamente. Ele morreu em Nice no dia 27 de maio de 1840.
.
Alguns dias antes de sua morte, o Bispo de Nice foi chamado ao lado de sua cama, mas Paganini recusou a vê-lo, insistindo que ele não estava agonizante. Então, ele morreu sem os sacramentos finais, e a igreja recusou lhe conceder um enterro em campo santo. Por um longo período, o caixão dele permaneceu no hospital em Nice, depois foi removido a Vila-Franca. Só depois de cinco anos da morte de Paganini seu filho, apelando diretamente ao Papa, teve permissão para enterrar o corpo do grande violinista na igreja da aldeia perto de Vila Gaiona.
.
Ao longo de sua vida Paganini sofreu de uma doença nervosa que o compeliu assumir uma existência nômade. Esta doença freqüentemente resultou em febres violentas que se seguiam de períodos longos de inatividade. Por causa de sua saúde, ele observou uma dieta rigorosa: freqüentemente, durante um dia inteiro ele não comia mais que um pouco de sopa, uma xícara de chocolate e uma xícara de chá de camomila. Ele precisava uma quantia excessiva de sono.
.
Paganini possuía um ouvido extraordinariamente sensível, até mesmo para um grande músico tanto é que podia descobrir o sussurro mais lânguido até mesmo a uma grande distância, conversa alta o causava-lhe dor física extrema. Ao longo de sua vida ele foi caprichoso e intratável, desmazelado na aparência e na casa. Os amigos freqüentemente comentavam que ele era bastante reservado. Em se tratando de dinheiro, ele era um homem de ganância.
.
Robert Schumann sempre teve Paganini, o compositor, com alta estima e como "Paganini o Virtuoso". “As composições dele,” escreveu Schumann, “contem muitas puras e preciosas qualidades.” Berlioz era igualmente entusiástico sobre trabalhos de Paganini:
.
“Um livro inteiro poderia ser escrito contando tudo aquilo que Paganini criou... de efeito moderno, de idéias engenhosas, formas nobres e grandiosas, e desconhecidas de combinações orquestrais antes do seu tempo. As suas melodias são grandes melodias italianas, mas cheias de ardor apaixonado raramente achado nas melhores páginas de compositores dramáticos de seu país. As suas harmonias sempre estão claras, simples, e de sonoridade extraordinária. Sua orquestração é brilhante e enérgica sem ser ruidosa”.
.
Certamente, a maior importância de Paganini como compositor repousa com suas peças brilhantes para o violino no qual ele desenvolveu os recursos prodigiosos desse instrumento e afetando profundamente toda a escrita para o violino que veio a seguir. Talvez, dos seus trabalhos para o violino, os mais famosos são os vinte e quatro caprichos que, na opinião de Florizel Von Reuter, é:
.
“O trabalho mais importante de Paganini... e revela uma tal riqueza de conhecimento pedagógico, acoplado com uma fantasia inesgotável e romance poético que eles podem ser considerados como prova convincente de valor de Paganini como músico e compositor”.
.
Franz Liszt e Robert Schumann transcreveram os vinte e quatro caprichos para piano. Johannes Brahms compôs uma série de variações de piano no 24º capricho, como fez Sergei Rachmaninov.
.
*Obs: 0s 24 caprichos de Paganini executados pelo fantástico violinista judeu Itzhak Perlman - é puro solo de violino.
.
Em Londres, muito freqüentemente as pessoas cutucavam Paganini com as bengalas para verificar se ele realmente era feito de carne e sangue. Em seu próprio tempo ele se tornou uma lenda que se mantém viva por sua música brilhante.
.
Multidões pagavam preços exorbitantes para assistir as apresentações daquele músico magrelo e feioso. Comerciantes colocavam o nome do ídolo em produtos tão diversos como perfumes e botas. As turnês incluíam as cidades mais importantes da Europa, com destaque para Viena, Milão, Hamburgo, Paris e Londres, onde os lucros foram suficientemente grandes para que o artista ficasse milionário.
.
Sem dúvida, o italiano Niccolo Paganini foi uma espécie de popstar musical em seu tempo. As apresentações de Paganini resumiam-se quase sempre a composições próprias, sons mágicos retirados do violino. O rosto esquálido contorcia-se, os cabelos negros cacheados agitavam-se, e o arco do violino fazia movimentos inalcançáveis para a maior parte dos músicos da época. Algumas vezes, pelo simples prazer de assombrar, Paganini sacava uma tesoura e cortava três cordas do violino, prosseguindo o concerto somente com uma, a corda “SOL”.
.
As lendas não tardaram em aumentar o interesse por Paganini. Daí que surgiram os boatos de que teria feito um pacto com o demônio para poder tocar daquela maneira, que as cordas de seu violino seriam confeccionadas com os próprios “Cabelos do Diabo”. Outra história dizia que sua habilidade vinha de anos de prática na prisão, condenado pelo assassinato da amante.
.
Nesta versão, as cordas do seu instrumento seriam feitas dos intestinos da infeliz vítima. Algumas vozes tentavam diminuir o seu valor artístico, como o poeta irlandês Thomas Moore:
.
“Paganini pode tocar divinamente, e algumas vezes realmente o faz, mas quando vem com seus truques e surpresas, seu arco em convulsões, sua música mais parece o miado de um gato agonizante.”... Os fãs, porém, são infinitamente mais numerosos e mais importantes que os críticos. Paganini foi sagrado Cavaleiro da Espora Dourada pelo papa Leão XII, nomeado “Virtuoso” da Corte do imperador da Áustria, entre várias outras honrarias.
.
A sua técnica ao violino, além de apuradíssima, também era ornamentada com elementos espetaculares; ao tocar, Paganini desenvolvia um gestual impetuoso e agressivo - por vezes atribuído aos “demônios” que o acompanhavam. O poeta alemão Boerne assim descreveu uma de suas apresentações:
.
“Ele estava tomado por um entusiasmo ao mesmo tempo divino e diabólico, como eu nunca havia visto ou ouvido em minha vida”.
.
Quando, aos quarenta anos, o violinista começou a viajar pela Europa, suas excentricidades tornaram-se ainda maiores. Chegava aos concertos coberto por um longo manto negro, em uma carruagem puxada por quatro cavalos também negros - e, algumas vezes, demorava a entrar no palco, para depois de longos minutos surgir de súbito e uivar em direção ao público.
.
Os feitos de Paganini ao violino não eram menos espantosos. Ele era capaz de tocar à espetacular velocidade de doze notas por segundo - esse é tempo que a maior parte dos músicos leva para ler doze notas. Ele também inovou com suas técnicas de memorização; antes dele, todos os violinistas tocavam acompanhados do programa a ser tocado - Paganini, por sua vez, costumava simplesmente subir ao palco com seu instrumento, sacudir seu longo cabelo e pôr-se a tocar. Todo o programa já havia sido memorizado.
.
Entretanto, certamente a mais fantástica proeza atribuída ao violinista era sua extrema habilidade com uma única corda. Sabe-se que cedo em sua carreira Paganini treinava improvisando melodias em uma única corda, chegando inclusive a compor canções específicas para isso. Francis Gates conta uma curiosa história sobre essa peculiaridade: segundo ele, numa tarde, um rico cavalheiro contratou Paganini e mais dois músicos para fazer uma serenada para sua amada.
.
Antes de começarem, o violinista secretamente amarrou um estilete em seu braço direito - e, então, começaram. Logo uma das cordas arrebentou. “É por causa do ar”, disse Paganini, e continuou tocando com as outras três cordas.
.
Pouco depois, outra corda se rompeu, sem que o violinista demonstrasse qualquer perturbação. Enfim, a penúltima corda se partiu - para infelicidade do apaixonado cavalheiro, que começou a temer pelo sucesso de sua serenata. Paganini respondeu a isso com um sorriso e simplesmente continuou tocando como se nada tivesse acontecido.
.
Alguns diziam que ele era muito estranho; outros, que era sobrenatural. As notas mágicas que saiam de seu violino tinham um som diferente, por isso ninguém queria perder a oportunidade de ver seu espetáculo.
.
Os desempenhos de Paganini foram surpreendentes – existem relatos de um Concerto em Londres, onde ele tocou acompanhado de uma orquestra, as 300 pessoas ali presentes ficaram estupefatas com o que presenciaram...
.
O palco do auditório estava repleto de admiradores e preparado para recebê-lo. A orquestra entrou e foi aplaudida. O maestro foi ovacionado. Mas quando a figura de Paganini surgiu, triunfante, o público delirou em “silêncio”.
.
Paganini colocou seu violino no ombro e o que aconteceu a seguir foi indescritível. Breves e semibreves, fusas e semifusas, colcheias e semicolcheias pareciam ter asas e voar com o toque daqueles dedos encantados. De repente, um som estranho interrompeu o devaneio da platéia.
.
Uma das cordas do violino de Paganini arrebentou (ou foi arrebentada???)...
.
O maestro parou... A orquestra parou... O público parou...
Mas Paganini não parou.
.
Ele continuou a tirar sons deliciosos de um violino com “problemas”. O maestro e a orquestra, empolgados, voltaram a tocar.
.
Mal o público se acalmou, um outro som perturbador derrubou a atenção dos assistentes.
.
Uma outra corda do violino de Paganini se rompeu (Ou foi rompida?).
.
O maestro parou de novo... A orquestra parou de novo... Mas Paganini não parou.
.
Como se nada tivesse acontecido, ele avançou, tirando sons do “impossível”.
.
O maestro e a orquestra, impressionados, voltaram a tocar.


Última edição por £ëø Mø®£ix em 11/7/2012, 15:33, editado 2 vez(es)

£ëø Mø®£ix
Admin

Mensagens : 3277
Pontos : 3764
Reputação : 170
Data de inscrição : 17/02/2010
Idade : 35

http://violinobrasil.forumfacil.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: História de Paganini

Mensagem  £ëø Mø®£ix em 17/2/2010, 01:35

O maestro parou... A orquestra parou... A respiração do público parou...
.
Mas Paganini não parou!
.
Como se fosse um contorcionista musical, ele tirou todos os sons da única corda que sobrara daquele violino “destruído”. E nenhuma nota foi esquecida. O maestro, estupefato, animou-se. A orquestra se motivou. O público partiu do silêncio para a euforia, da inércia para o delírio. Paganini atingiu a glória. Seu nome corre através do tempo.
.
Em busca de uma explicação para o fantástico talento do músico, mais lendas começaram a surgir. Para alguns, tamanha habilidade se explicava por uma suposta estadia na prisão. Segundo essa lenda, Paganini teria sido preso por ter assassinado, a punhaladas, um rival seu em uma disputa amorosa - e, em conseqüência disso, teria sido encarcerado por oito anos, tendo como sua única companhia, em todo esse período, seu violino. Outras versões dessa lenda são menos românticas, e falam sobre o assassinato de um músico rival de Paganini por envenenamento. Mas nada disso possui provas concretas.
.
Vários historiadores afirmam que depois disso seu corpo foi várias vezes desenterrado... por causas que ninguém até hoje conseguiu descobrir...
.
Ele não foi apenas um violinista genial... ele foi... O VIOLINISTA!!!
.
--------------------------------------------------------------------------------------------------
.
Paganini morreu na Riviera, de tuberculose. Deixou... 25 milhões de francos, um Guarnierius preciosíssimo – “O Cânon” (inglês), “O Cânone” (italiano), “O Canhão” – (guardado hoje no Museu de Gênova - Itália) e sete Stradivarius, dos quais o melhor desapareceu sem vestígios. Assim como se perderam as armas do violinista Paganini. Da sua vida fantástica apenas ficou vaga reminiscência, como uma sombra na parede, como se fosse reminiscência de cinema.
.
Nunca mais um virtuose conseguiu tanto êxito. Dos virtuoses de hoje, nenhum se destaca e se compara com o que Paganini fez; o mais severo dos seus críticos contemporâneos – Fétis – o comparava a Napoleão. Paganini foi um fenômeno.
.
A Europa de 1830 era, depois das tempestades da Revolução e das Guerras Napoleônicas, essencialmente apolítica. Governos patriarcais e polícias vigilantes nem permitiam a ocupação com os negócios públicos. Notícias de teatro e concerto encheram os jornais. Eram os dias áureos do pianista Liszt, da cantora Henriette Sountag, da bailarina Taglioni.
.
Com relação aos violinos, não existem sombras de duvidas que o Guarneri’s de Gesú’s de 1742 feito por Joseph – batizado de “O Canhão”*** em virtude do seu som forte e poderoso – foi o instrumento que ajudou Paganini subir ao estrelato. O que ambos fizeram nos Concertos da época encontra-se registrado nos mais diversos tipos de folhetins e jornais, pena que não existem registros sonoros em virtude da tecnologia não ter tido esse avanço nos idos do século XIX.
.
***Uma certa vez, aos quinze anos, Niccolo estava programado para dar um espetáculo, mas seu violino estava penhorado, um amigo, Monsieur Livron, ofereceu-se a emprestar lhe o próprio e valioso Guarnerius (o nome deste Violino era "O Canhão"), e, naquele concerto, ficou tão encantado com Paganini que insistiu para que o violinista retivesse o precioso instrumento como um presente, que era uma peça muito valiosa entre os instrumentos musicais da época.
.
O Guarneri representou para Paganini a prolongação de si mesmo - quase um ser humano (Como costumava dizer) - capaz, às vezes, de mostrar ter um real “comportamento”. Quando por razões de sua saúde Niccolo estava forçado a não usar Rum (bebida alcoólica), tal abstinência de alguma forma interferia fortemente em suas crises de tosse (mesmo essa ausência sendo algo benéfico para sua saúde) - como conseqüência, suas tosses se tornavam piores, então sua “ferramenta” protestava:
.
“O Canhão – descreve Paganini – está desafinando muito rápido quando tento tocá-lo carraqueando, parece estar com nojo de mim nesse estado”. Em 1834, o Guarneri completou 92 anos e Paganini 52. Nessa época, Paganini anuncia sua retirada de cena.
.
Recentemente; um leilão atiçou violinistas, colecionadores, mecenas e homens de posses...foi leiloado um “Bergonzi” (existem, segundo registros, exatos 50 no mundo). Abaixo, anuncio do Violino antes do leilão:
.
-------------------------------------------------------------------------------------------------
.
“Leilão espera vender Violino de Paganini por mais de 500 mil libras (R$ 2 milhões).
.
Um violino feito por um dos principais fabricantes do mundo e que um dia pertenceu ao italiano Nicolo Paganini irá a leilão na semana que vem. O preço mínimo será de 500 mil libras (R$ 2 milhões).
.
A peça é um dos 50 violinos remanescentes feitos pelo mestre Carlo Bergonzi, de Cremona. Além disso, trata-se da primeira vez que um dos famosos instrumentos de Paganini vai a leilão. Segundo a agência de notícias Reuters, o leilão será feito pela casa Sotheby's.
.
Segundo a Sotheby's, o violino é de cerca de 1720, época em que Bergonzi estava no final da casa dos 30 anos e já era um nome poderoso.
.
A peça ficou entre os 20 violinos, incluindo 10 de Stradivarius, passados ao filho Achille na morte do maestro Paganini, em 1840, e foi certificado como um Bergonzi em 1870 pelo negociante francês e fabricante de violinos Jean-Baptiste Vuillaume.
.
O instrumento mudou de mãos diversas vezes ao longo de 80 anos até chegar a John Corrigliano, maestro da Orquestra Filarmônica de Nova York entre 1943 e 1966.
.
----------------------------------------------------------------------------------------------
.
Após o leilão:
.
“Vencedores de concurso russo tocarão violino de Paganini.
.
A Fundação de Arte do Violino, que fica em Moscou, comprou o instrumento em um leilão na casa Sotheby's, em Londres, pelo equivalente a 565 mil libras (R$ 2,26 milhões).
.
Os vencedores de uma famosa competição de violinistas na Rússia terão a chance de tocar um instrumento que pertenceu ao gênio do século 19 Nicolo Paganini. A cada ano, o vencedor da competição internacional vai poder tocar o instrumento até o próximo concurso.
.
O violino foi manufaturado em cerca de 1720 e é um dos 50 fabricados pelo mestre Carlo Bergonzi e que ainda restam. O preço alcançado pelo instrumento estabeleceu um novo recorde mundial para um violino Bergonzi comprado em leilão.
.
Paganini é considerado o maior violinista do século 19, e os instrumentos feitos por Bergonzi são vistos como alguns dos melhores já fabricados. Sua reputação só fica atrás dos violinos feitos por Antonio Stradivari e Guarneri del Gesu.
.
Não se sabe quando Paganini adquiriu o instrumento. Mas ele estava entre os 20 herdados por Achille, filho de Paganini, quando o violinista morreu em 1840.

£ëø Mø®£ix
Admin

Mensagens : 3277
Pontos : 3764
Reputação : 170
Data de inscrição : 17/02/2010
Idade : 35

http://violinobrasil.forumfacil.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum